A cor do meu cabelo

a-cor-do-meu-cabelo

Foi preciso esperar 27 anos para mudar a cor do meu cabelo. Sempre fui afoita na tesoura, nunca receei cortar mais centímetros do que aqueles que pedia à cabeleireira, mas tocar na coloração era algo que nunca tinha feito.

Foi só em 2017, um pouco antes de fazer os 27 anos, que fiz as minhas primeiras californianas, meio a medo e a cor de mel para não me assustar, nem assustar ninguém. O que eu não sabia era que, alguns meses depois ia fazer a mudança “estética” da minha vida, quando descolorei o cabelo.

Tinha estado na moda os cabelos loiros, rosa e os platinados-cinza e eu vibrava ao ver todas essas cores a surgir como cogumelos no meu feed de instagram. Gostava, não só por ser a moda, mas realmente era uma coisa que gostava de ver e que conferia, no meu ponto de vista, elegância e irreverência.

Quando vi o meu cabelo, amarelo (ainda) foi um choque. Mas não foi um choque mau, foi só daquela diferença que não estamos habituados a lidar. Na altura, tive quem gostasse, quem não gostasse e quem não soubesse o que dizer – também em choque. Ouvi alguns comentários de gozo que na altura me magoaram, mas depois percebi que isso dizia muito mais sobre eles do que sobre mim.

Para mim, mudar o meu cabelo sempre foi uma forma de me expressar. Sempre que fiz grandes mudanças no meu cabelo, aconteceram grandes mudanças na minha vida também. Nem sempre planeadas, mas sempre, de alguma forma, motivadas pela forma diferente com que me encarava ao espelho. Eram como um mote, uma força-extra para me dar aquele “quê” de motivação que me faltava. Não sei bem o que é que precede o quê, se a mudança física que me impele a ação ou se o gatilho interior que se acende e só precisa de se manifestar no exterior. É uma relação causa-efeito com uma linha muito ténue.

O que importa é que todas essas mudanças têm servido para o meu autoconhecimento, para me compreender e me olhar com mais tolerância e amor, como vos falei aqui através dos autorretratos.

Descobri que ser loira, me dava uma sensação de poder e de conquista muito grandes, de mulher que é capaz de tudo aquilo a que se propõe. Como se puxasse pelo meu instinto mais guerreiro e livre.

Ao mesmo tempo que descobria isto, havia sempre alguém no caminho a dizer “E quando é que voltas ao castanho?”, “Ai eu gostava era de te ver com a cor antiga”. Mas nunca ninguém me perguntava se eu estava feliz por ser loira, se gostava daquela mudança, se para mim fazia mais sentido desta forma. Ninguém.

O mais engraçado é que quanto mais me falavam de voltar a ser morena, menos me imaginava morena. Menos me revia na imagem de antigamente. Como se não estivesse pronta para voltar àquela altura, como se não me identificasse com aquela pessoa que fora morena toda a sua vida. Não estava pronta para voltar a ser a Margarida morena, que fui toda a minha vida. Esta foi também a forma que arranjei de dizer a mim própria, que não queria cometer os mesmos erros, que não queria voltar ao passado e, voltar ao cabelo castanho, era como voltar a tudo isso.

Entretanto, o loiro deu lugar ao roxo, que no dia a seguir decidiu ser azul unicórnio e posteriormente verde. Diverti-me muito neste processo, não é que me imaginasse sempre com aquela aparência, mas deu-me muito gozo ver como ficava com outras cores. Fez com que me levasse menos a sério e que curtisse mais a mudança, o poder ser tudo aquilo que eu quisesse. No fundo, era só cabelo e ao mesmo tempo era tanto mais do que isso.

Hoje o meu cabelo é ruivo e curiosamente revejo-me muito mais nesta mudança do que em todas as outras. Não sei quanto tempo vai durar esta fase, o importante é que enquanto dure que me faça sentir sempre bem.

2 comments

  1. Tão bom ler isto! Eu precisava de te ler nesta fase e neste tema. Sinto tanto que quero mudar este cabelo, mas o medo é receio prevalece sempre. Eu gosto de quem fui e de quem sou, o meu cabelo sempre me acompanhou no processo, mesmo levando cortes para variar, mas apetece-me tanto mudar e sair da zona de conforto, no entanto, gosto tanto dele assim também. Enfim, quando o fizer, vou-me lembrar de ti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CommentLuv badge

Segue-me

  • Tenho saudades de levantar voo. Do friozinho na barriga quando sentes aquele ímpeto em direcção ao céu.
Pertenco a todos os lugares onde nunca fui e me esperam. E a todos aqueles onde deixei um pouco de mim.

Para onde vou agora?
// postcard from Geneve, 2015.
  • Não é o #10yearschallenge mas a diferença é de apenas um ano.

Em agosto de 2010, rumei a Cabo Verde com o grupo de escuteiros em que me incluía.
Já nesta altura a máquina fotografica me acompanhava.

Comecei a tomar mais gosto e a desejar ter esta princesa, quando o Rui, meu colega de grupo, começou a levar a dele para os acampamentos e atividades. Os meus olhos brilhavam sempre que pegava na máquina fotográfica dele e desatava a disparar cliques aqui e ali. Ainda sem grande noção do que fazia, sem grande intenção, mas extremamente apaixonada.

Depois de Cabo Verde, andamos por Londres, Barcelona, Antuérpia, Bruxelas, Paris, Genebra e tantas outras cidades do País, sempre juntas.

Tenho a minha 77D há menos de um ano. Fizemos a primeira viagem até Madrid e já só sonho com novas aventuras por aí fora.
Se há coisa que gostava, era de viajar pelo mundo para o fotografar.

Também tens um sonho, daqueles incríveis? 📸 @ruipperes
  • "Gostaria de crer que isto é uma história que estou a contar. Preciso de crê-lo. Tenho de crê-lo. Aquelas que conseguem acreditar que semelhantes histórias são apenas histórias, têm melhores possibilidades.
Se é uma história que estou a contar, então posso controlar o fim. Então haverá um fim, para a história, e a vida real virá depois. Posso retomar o fio onde me interrompi."
.
📚 // ainda não cheguei a meio desta história e ja me embrulhou o estômago várias vezes.
.
Assusta-me pensar que, talvez não tenha sido há tanto tempo assim uma realidade semelhante ou que, a distância futura não me pareça tão descabida.
.
É aterrozizador pensar nisto, mas quando olho o mundo a cru vejo a loucura insana e o desrespeito constante pelo outro.
. 
É uma história perturbadora mas é também um agitador de águas. Que tenhamos a lucidez necessária para reconhecer todos os sinais!
.
➸ para janeiro em #umaduziadelivros: Crónica de Uma Serva, de Margaret Atwood
  • Mais 365 novos dias para fazermos o que nos faz feliz.

Estou a aproveitar esta semana para preparar o ano, que não consegui deixar tudo pontinho antes do final do ano. É mesmo assim, fazer e refazer. 🙈

Estou a aproveitar as dicas que a @filipammaia deixou num dos seus videos do YouTube e a construir - passito a passito 💃 - o planeamento para os próximos 6 meses. Dá tantooooo jeito, mesmo para quem não tem um negócio, é interessante pensar naquelas questões todas ⇛ Ide lá ver 🙌🏼 // Quem reparou que temos um visual diferente por aqui?
É verdade, este refresh vem acompanhar o blog que também tem cara lavada, para ver já amanhã! 🤗

Aos inícios! 🥂
#mpestanaphoto
📷 @anapestana_
#tribejldesign
  • ⟴ DIVERSÃO // Foi esta a palavra que escolhi para me acompanhar no ano de 2019.
Se o ano que passou foi muito dedicado ao trabalho e à descoberta de mim mesma neste aspecto, agora é tempo de relaxar um bocadinho e curtir.

Falta-me isso. Falta-me rir até doer a barriga, fazer coisas meio malucas e aproveitar. Não quero muito, não existem muitas resoluções a não ser, divertir-me. Curtir tudo o que vier. Equilibrar o Yin-yang e priorizar ser feliz, seja lá como for.

Que o vosso ano, seja também repleto de diverso.
💃🎉
#mpestanaphoto
#tribejldesign
  • ⟴ DIVERSÃO // Foi esta a palavra que escolhi para me acompanhar no ano de 2019.
Se o ano que passou foi muito dedicado ao trabalho e à descoberta de mim mesma neste aspecto, agora é tempo de relaxar um bocadinho e curtir.

Falta-me isso. Falta-me rir até doer a barriga, fazer coisas meio malucas e aproveitar. Não quero muito, não existem muitas resoluções a não ser, divertir-me. Curtir tudo o que vier. Equilibrar o Yin-yang e priorizar ser feliz, seja lá como for.

Que o vosso ano, seja também repleto de diverso.
💃🎉
#mpestanaphoto
#tribejldesign